Prefeitura inaugura CAPS Infantil em Pirituba

quarta-feira, 20 de junho de 2012


O prefeito de São Paulo entregou nesta segunda-feira (18/6) o Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II Infantil) na região de Pirituba/Perus, que inclui bairros como Perus, Jaraguá, Morro Doce e Caiuba, na Zona Norte de SP. Com capacidade para receber 155 pacientes por mês e realizar 1,4 mil procedimentos, o equipamento entregue é o 22º destinado ao atendimento de crianças e adolescentes na capital com transtornos mentais graves.

Situado à Rua Antonio de Pádua Dias, nº 602, na Vila Caiuba, o CAPS II Infantil Perus funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. Não é necessário agendar consulta para ser atendido. Assim como os outros CAPS espalhados pela cidade, o novo equipamento de saúde também acolhe os familiares dos pacientes, além de desenvolver diversas atividades terapêuticas e de inclusão social. A unidade atua em parceria com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) e conta com equipe multiprofissional composta por médicos, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, educador físico, fonoaudiólogos, enfermeiros, psicopedagogo, auxiliares de enfermagem, farmacêutico, técnico de farmácia, assistentes administrativos e auxiliares de serviços gerais.

“Esta inauguração é um exemplo absolutamente claro da importância, da prioridade que a administração municipal vem dando à saúde mental para os cidadãos, e em particular para os nossos pequenos cidadãos”, disse o secretário de Saúde do município em exercício. “São crianças e adolescentes que precisam de um acompanhamento para a sua condição mental, muitas vezes em situações mais graves, persistentes, e que necessitam de um acompanhamento multiprofissional e interdisciplinar”, enfatizou.

Destinada ao acompanhamento de pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, a rede de CAPS segue a Política Nacional de Saúde Mental e oferece atenção multidisciplinar, incluindo tratamento psiquiátrico, psicológico, fonoaudiólogo, terapia ocupacional e atividades comunitárias, que visam reintegrar o paciente ao convívio familiar e social. A oferta desse serviço evita internações recorrentes e promove tratamento humanizado e efetivo, fortalecendo o vínculo entre a criança e a família.

Fonte: Prefeitura de São Paulo



Deixe um Comentário